segunda-feira, 16 de junho de 2014

Vá de bike, mas tenha paciência!

Tem horas que a gente se sente um pouco tolo, como que passado pra trás e sem ter a quem recorrer. No passado, quem sabe,  eu pudesse me queixar ao bispo, mas em tempos de tecnologia, é melhor acessar o Fale Conosco e rezar para ter uma resposta. 

Ontem, domingo, fim de tarde, mais uma vez, entusiasta que sou das bikes como meio de transporte aqui e em qualquer lugar, fui tentar usar uma bicicleta no sistema Bike Sampa. A intenção era pegar uma magrela daquelas do Itaú na estação Mackenzie e ir pedalando até a Vila Madalena para lá assistir ao jogo da Argentina contra a Bósnia e curtir um pouco da muvuca festiva da Copa em São Paulo.  

Mas houve um impasse! Mais um. Digo isso, porque essa é pelo menos a quinta vez que minha tentativa de usar a estação Mackenzie não foi bem sucedida. Muito frustrante!

Quando nos mudamos para Higienópolis, há quase um ano, eu tive uma ponta de tristeza de deixar a minha antiga morada em Pinheiros, porque bem em frente ao prédio em que eu morei por 12 anos na Cônego Eugênio Leite, estava sendo instalada uma estação do projeto mobilicidade.  Dias depois, eu descobri que bem perto da minha nova casa, também estava sendo instalada uma estação. Fiquei muito contente porque era a chance de poder usar a bicicleta para ir trabalhar ou ao menos para voltar do trabalho. Uma enorme facilidade! 

Como disse, já faz quase um ano que estamos em novo endereço. Demorou mais de seis meses desde que nos mudamos para que a estação Mackenzie parecesse funcionar. Só que durante esse tempo, havia bicicletas estacionadas ali, tomando sol, chuva, sereno, ocupando a via, enfim, se deteriorando. 

Antes de continuar, eu quero dividir o meu entusiasmo quanto ao sistema de empréstimo de bicicletas que foi criado há dois anos. A ideia é ótima e se funcionar direitinho, e para isso é preciso empenho, recursos, dedicação e principalmente usuários conscientes, é um grande projeto de mobilidade. Parece pouco,  mas não é. É mais um grande passo rumo à mobilidade e ao melhor uso do espaço urbano. 

Funciona assim: você entra no site www.mobilicidade.com.br, faz um cadastro no qual você coloca o número do seu cartão de crédito e, quando eu me cadastrei era necessário pagar uma taxa de R$ 10,00, pelo que pesquisei agora é gratuito. Aí, é só baixar o aplicativo no celular e quando for pegar a bicicleta, acessa o aplicativo, preenche o número da estação, informa em seguida o número da posição da bike que quer pegar e pronto. Se não tiver o aplicativo pode ligar no número informado na própria estação e pegar a bicicleta pelo telefone. Existe ainda a opção pelo bilhete único, que também deve estar atrelado ao cadastro feito como no caso do celular e do aplicativo. 

Por uma hora é possível usar a bicicleta sem pagar nada. Se ultrapassar esse tempo, paga R$ 5 (cinco reais) por meia hora. Se quiser usar o dia todo, pode, sem pagar. Mas é preciso fazer intervalos de 15 minutos entre pegar uma vez e outra, isso depois dos 60 minutos iniciais.  É muito bacana! Vale a pena, se funcionar. 

Ontem, ao chegar à estação havia 11 bicicletas estacionadas. Nenhuma em condições de uso.  Pior que isso, não existe a possibilidade de conseguir uma informação a respeito do que ocorre através do aplicativo no celular.  Ele só serve se tudo estiver em plenas condições. Outra coisa é o atendimento telefônico que também é eletrônico. Portanto, não há uma cabeça pensante na central telefônica, só uma gravação. E o atendimento ao cliente só dava ocupado. Fácil, né? 

Você vai com aquela super empolgação, conta para os amigos, divulga a ideia e, não funciona direito.  Dá chances e chances, primeiro porque está começando, depois porque foi só essa vez. Outra vez pensa que você é que deu azar, mas não, no Brasil parece que tudo vai sendo feito mais ou menos...  Parece que o planejamento não foi bem feito, que a tecnologia é ruim, que as pessoas cuidam mal do bem que está à disposição delas... Isso desanima. 

A estação Mackenzie parece ter sido feita para não funcionar. Acho que os moradores esnobes de Higienópolis, assim como não queriam o metrô por ali, devem ter posto urucubaca na estação de bicicletas. Brincadeira...

Não conseguimos pegar uma bike de primeira. Fiquei irritada, xinguei e quase soltei uma daquelas frases derrotistas de quem não acredita que tudo pode mudar para melhor. Porque no geral eu acredito que pode, mas tem hora... 

Fomos conseguir duas bicicletas, estávamos eu e o Silas, na estação da esquina da rua Piauí com a avenida Angélica, ao lado da Drogasil.  A minha bike estava um pouco avariada, sem o manete direito. O Silas ficou com ela. Descobri que a dele que ficou comigo estava sem a primeira marcha. Ainda assim cumprimos nosso trajeto rumo a Vila Madalena. 

Apenas para justificar tão grande frustração, essa não foi a única vez que tentei pegar um bicicleta e não consegui. Nem que fui até uma estação a partir do mapa e ela não existia. Tampouco desisti de usar quando não tive atendimento por telefone com informações mínimas. Eu quero que esse negócio funcione! Quero que dê certo. 



Devolvemos as bicicletas na estação da rua Mateus Grou, como de uma ou duas outras vezes já havíamos feito.  

Fomos pra Vila, vimos a movimentação nas ruas, conhecemos a arena interativa criada pela Carrera na rua Girassol (lugar ótimo para ver o jogo num super telão de cinema, mas totalmente impessoal e desagradável, o ambiente era tão aconchegante quanto um hospital vermelho, com mobiliário feito de paletes de madeira, urgh!), paramos no bom e velho Bar das Empanadas para comer uma e tomar uma). De lá, continuamos buscando um lugar para sentar e ver o segundo tempo do jogo. 

Na onda do selfie, nós, no Empanadas
Só conseguimos uma mesa com TV e cerveja gelada no Galinheiro Grill. O Messi ficou me devendo um espetáculo. Até agora, pra mim, faltou emoção e garra na performance dele. Mas ainda tem muita Copa pela frente. 

Voltamos pra casa de ônibus. Diga-se de passagem, um veículo novinho em folha, lindo e confortável. Acredita? Pode acreditar mesmo. Existe. Podiam ser todos assim. 

Vou continuar insistindo no projeto de mobilidade urbana que inclui bikes e ônibus de boa qualidade, mas confesso que, muitas vezes, me sinto mesmo tola. 

Boa semana! Hoje tem estreia da Alemanha jogando com Portugal à uma da tarde. Você vai torcer pra quem? Eu, pra Alemanha! E por falar nisso, Michael Schumacher saiu do coma e voltou pra casa hoje. Que bom. Espero que se recupere bem. Torci muito pela recuperação dele. 

Serviço


Nenhum comentário:

Postar um comentário