quarta-feira, 27 de maio de 2015

29 é dia de Nhoque da Fortuna (ou da Sorte)


Nunca eu tinha ouvido falar que se devia comer nhoque no dia 29 até vir morar em São Paulo. Isso já faz tempo, mais de 20 anos, mas me lembro como se fosse agora a minha surpresa quando meu amigo e chefe na época, Guilherme Bonifácio, que adorava nhoque, falou que era dia 29 e então deveríamos ir a um restaurante para comer e fazer o pedido com uma nota de dólar debaixo do prato.

Nossa! Que novidade foi aquilo pra mim. 

Mas era só falta de informação mesmo porque a tradição existe e parece que faz muito tempo, difícil é precisar a data que isso começou. 

Diz a lenda que São Pantaleão, num dia 29 de dezembro, perambulava, andarilho e faminto, por uma região da Itália. Parou numa casa e pediu comida, como é comum acontecer até hoje nas casas no interior de São Paulo (na casa da minha mãe isso ocorre com frequência, deve ser o cheiro da boa comida que atrai rsrs). A família era grande e a comida não era muita, então, dividiram o que tinham para dar de comer ao andarilho, ficando cada um com sete massinhas. Depois de comer, o pedinte se foi e ao levantarem os pratos havia dinheiro debaixo deles. 

Por isso criou-se a tradição de comer nhoque no dia 29 de cada mês, colocando uma nota de dinheiro, qualquer que seja ela (não precisa ser dólar, não!), debaixo do prato. Os sete primeiros nhoques devem ser comidos de pé com atenção e concentração, visando assim atrair fortuna.  Depois segue a refeição sem mais encantamentos. A nota pode ser guardada até o próximo dia 29 ou doada a alguém que precise. De acordo com a tradição, isso atrai din-din.  Em tempos de crise, não custa tentar e também uma fezinha não faz mal a ninguém. 

Para os que gostam da prato, que são muitos, é uma boa desculpa para comê-lo ao menos uma vez por mês. Para os que vendem, uma oportunidade de garantir freguesia oferecendo o conforto da riqueza na ilusão de cada um. Tudo muito válido, é bom dizer.  Sempre sou dada às boas intenções, venham de onde vier:  por superstição, crença, benzimento ou benção, tudo é muito bem vindo. Vou eu agora dizer que isso é bobagem? Bobagem é perder tempo falando mal da vida dos outros e achando defeito em tudo o que vê. 

O nhoque tem origem italiana e é uma massa feita à base de batata e farinha de trigo. Simples de comer e fácil de fazer, exceto por alguma sujeira na cozinha, o nhoque é uma comida bem confortável, carinhosa e com sabor de casa de avó, mesmo que a sua não seja italiana... Sempre tem uma nona por perto. 

Na primeira postagem do blog dei uma receita de nhoque com molho al ragu. Repito a base da receita, ou seja, a parte da massa e sugiro um molho pesto, cuja receita também já foi mencionada no blog em outra ocasião (ver títulos de postagens no fim desta). Desta vez, a receita do pesto que costumo fazer. 


Nhoque 


Massa de batata e mandioquinha (batata baroa)

Ingredientes 

1 ½ kg de batatas médias ou pequenas e lisinhas
300 gramas de mandioquinha cozida
1 ovo inteiro
1 fio de óleo de milho
1 pitada de sal
Até 500 gramas de farinha de trigo

Modo de preparo

Cozinhe as batatas com as cascas e retire-as tão logo estejam cozidas e tenras. Cozinhe a mandioquinha sem casca e escorra a água. Junte batata e mandioquinha e esprema-as ou amasse enquanto ainda estiverem quentes. Junte um ovo, um fio de óleo e uma pitada de sal generosa, já que tudo foi cozido na água sem tempero. Misture tudo. Numa superfície polvilhada de farinha de trigo deite a massa e vá acrescentando farinha até que dê liga suficiente para enrolar longos rolinhos que serão cortados no tamanho de uma garfada pequena. Para que possam ser pegos no prato  um a um ou até de dois por vez.  Cozinhe os pedacinhos em água fervente com um fio de óleo e um pouco de sal.


Molho Pesto


1 maço de manjericão
1/2 xícara (chá) de azeite extra virgem
4 dentes de alho picados
100 gramas de queijo parmesão ralado
5 pinholes turcos (pode-se substituir por uma noz, uma castanha do pará, 3 amêndoas)
Sal e pimenta do reino a gosto

Modo de fazer

Lave o manjericão e separe para uso somente as folhas. Seque bem e leve ao liquidificador com o azeite e o alho. Bata até que fique tudo bem triturado. Acrescente o queijo ralado e os pinholes. Tempere com sal e pimenta do reino. 

O molho pesto é usado frio na massa quente. Não é preciso aquecê-lo. Uma receita como essa rende mais ou menos um vidro de 160 ml de pesto.  Dá para temperar todo o nhoque e ainda sobra. O pesto é um moho de sabor acentuado por causa do manjericão e do alho que são consumidos crus. Por isso, rende muito. Só um pouquinho já dá muito sabor. 

Estamos a apenas dois dias do 29, mas com a receita em mãos, você já sabe o que cozinhar para atrair a fortuna que merece. Não esqueça de colocar a nota de dinheiro embaixo do prato, comer os sete primeiros bocados em pé, com muita concentração. 

Sugiro também jogar na mega sena e continuar trabalhando duro.  Vai que demora para São Pantaleão mandar o dinheiro... 

Não sei se sorte é ter fortuna. Só sei que fortuna tem os que têm saúde e alegria e que dinheiro, sem apego, é sempre bem-vindo! 

Um abraço muito carinhoso, cheio de alegria! 




Leia também: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário