quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Salada indiana com frutas frescas

Festival de Saladas - última das cinco



O mistério continua, mas o festival de saladas hoje chega ao fim. Assim que passar o Carnaval vem o lançamento oficial da novidade e aí, sim, posso contar. Achava que seria ainda no meio da semana passada, mas me enganei. Desculpem-me os leitores do blog. 

Hoje é segunda-feira com cara de sábado. Dia empurradão, sem muita coisa pra fazer a não ser sair para curtir os blocos de Carnaval ou um showzinho aqui, outro ali. Uma emenda de feriado no melhor estilo.  

Falei showzinho, mas devo confessar, ontem estive no show da Maria Gadú. Ex-ce-len-te! Ela é muito boa no palco, o que contribui significativamente para o sucesso merecido dela, já que suas composições e musicalidade são ponto fora da curva num mar de mediocridade criativa da música brasileira nas grandes mídias ultimamente. Eu que detesto dizer que detesto, detesto mesmo esse tal de pancadão e o infernal mela-cueca do ritmo sertanejo feito em duplas para dar caixa a abastados e espertos empresários. Pronto falei. Esse som é horrível. Agora o que faz a Maria Gadu, gente, que delicadeza... Ela cantou Piaf no palco numa versão pra lá de contemporânea. Valeu muito a pena ter ido.

Sem mais derivações, hoje fiz uma salada diferente aqui em casa com shimeji, mas ela estará presente num outro festival. Nesse, tenho que terminar de publicar as cinco prometidas. A que está faltando leva frutas, broto de alfafa e um molho delicioso feito de iogurte com curry. Um toque diferente no nosso cotidiano. E, como sempre, saudável. 

Outro dia li que todos os dias ou pelo menos uma vez por semana deveríamos nos dedicar a comer algo diferente, seja um ingrediente novo ou um jeito de preparar um alimento que já conhecemos. Isso é um desafio, mas com um pouco de ousadia e pondo a cabecinha pra funcionar sem amarras, dá pra chegar lá. 

Essa salada traz consigo um tanto desse ousadia...




Salada indiana de frutas frescas

Rendimento: refeição completa para uma pessoa, com muito equilíbrio







Ingredientes

- Caminha de folhas verdes de sua preferência: alface, chicória, rúcula, mostarda, radiccio
- Frutas da estação à escolha: maçã, pera, manga, laranja, carambola, figo ou morango (pode usar mais de uma)
- 1 colher (sopa) de cenoura ralada
- 1 colheres (sopa) de broto de alfafa
- 1 fatia larga de queijo branco


Molho indiano: curry, iogurte, molho de mostarda e grão de mostarda, sal 


Montagem

Faça uma caminha de folhas verdes num prato fundo ou tigela alta. No centro, disponha os brotos de alfafa e ao redor dele as frutas e a cenoura. Distribua o queijo cortado em cubos por toda a salada. 
Para fazer o molho é preciso emulsionar (misturar bem) todos os ingredientes. 
Despeje o molho por cima dos demais ingredientes. 

Essa salada é um sucesso. Totalmente diferente. Tenho certeza de que você vai se surpreender se ousar fazer e degustar. 


Leia também no Festival de Saladas: 

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Salada de rúcula, frango e ricota

Festival de Saladas



Fim de semana chegando, o Carnaval já está rolando, tem muito batuque aqui por perto. Ouço o dia todo. Uma delícia! Eu adoro o som da animação, mesmo que não chegue a frequentar acho bárbara a alegria dos foliões. 

Dias de festa ou de descanso, o Carnaval é um bom tempo para mais uma salada, com base de folhas verdes e que funcione como uma refeição integral, ou seja, aquela que não precisa de outros acompanhamentos. 

No geral, num almoço que, para nós brasileiros é uma das refeições mais completas do dia, nosso prato terá carboidratos, fibras, proteínas, vitaminas e sais minerais. Trocando em miúdos, um cereal, verduras e legumes crus e cozidos, uma carne, leguminosas e temperos traduzidos em hortaliças. 

As saladas propostas nesse festival tem um pouco de tudo isso num único prato. É o que é melhor: tudo com bom sabor, com aromas marcantes que estimulam o paladar e de um jeito bem saudável. Para quem quer ficar em dia com a balança essas saladinhas são boas pedidas que, independentemente da intenção de emagrecer de alguns, darão energia suficiente e nutrientes equilibrados para o seu organismo até que chegue a próxima refeição, isto é, cerca de três horas depois. 

Alimentar-se a cada duas e meia ou três horas, consumindo pequenas porções, é um jeito muito sábio de comer. O corpo funciona em equilíbrio, metabolizando tudo o que é necessário e não fazendo reservas, isso ajuda a manter o shape ideal. Só que, claro, não adianta comer uma porção pequena de fritura. É preciso usar a cabeça e escolher bem os alimentos a serem ingeridos. Tudo é aprendizado.

E agora que tal aprender a fazer uma mistura boa que só ela? Enjoy it! Adoro essa expressão, ela sintetiza um bom desejo, mas, se preferir, pode ser: aproveite! 


Salada de rúcula, frango e ricota

Refeição completa para uma pessoa = equilíbrio




Ingredientes

- 80 gramas de rúcula picada
- 40 gramas de frango desfiado
- 2 colheres (sopa) de ricota fresca esfarelada
- 6 azeitonas pretas do tipo azapa picadas sem caroço
- Castanhas ou nozes

Molho: molho de mel e mostarda (mel, mostarda, sal, pimenta, aceto balsâmico, azeite e água) 


Montagem

Misture com as mãos todos os ingredientes. Essa é mesmo uma salada! Tudo misturadão! Em seguida, despeje o molho por cima e coma logo em seguida. 

Depois de colocar o tempero, a rúcula cortada vai murchando, então, deve-se esperar até a hora de ir à mesa para temperar.  

Essa salada é uma adaptação feita de memória de uma deliciosa salada que eu comi pela primeira vez no restaurante da amiga Paula Molina, que agora mora em Londres. O restaurante se chamava Den Haag. Saudades muitas. Boas lembranças. Cheias de sabor e muito amor. Amo essa minha amiga e sempre vou amar, assim como a Dinda, o Dindo, a Lu e a Baby, que eram a família da Paula em São Paulo já que ela é gaúcha de Pelotas. 







Leia também no Festival de Saladas: 


quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Salada do mar (no carbs!)

Festival de Saladas



Ainda não está na hora de contar tudo, tudinho, tudão sobre as saladas que vêm sendo publicadas por aqui nesta semana. Digo, não posso ainda dizer como, mas já dá pra contar que você vai poder comprá-las de um jeito super fácil, rápido e sem qualquer dor de cabeça em mais alguns dias. 

Se não for a fim de comprar, ótimo, faça você mesmo a sua saladinha deliciosa. Se for você quem fizer, ela vai ter o seu jeito, o seu tempero, a sua mão! Ninguém cozinha igual a ninguém. Nem mesmo duas saladas feitas por duas pessoas no mesmo lugar e com os mesmos ingredientes serão iguaizinhas. Na hora do tempero, então, ih... nem se fala. Cada um tem o seu. 

Já que o assunto da semana é o festival de saladas que vem com novidades a serem contadas em breve, hoje vou postar mais uma sugestão gostosinha. 

Essa é uma salada sem carboidratos. Além de não ter nenhum crouton, ela não leva cenoura, beterraba, batata, mandioquinha ou seus semelhantes. É uma bela opção para quem curte comer bem, ficar saciado, sem engordar. 

Eu dei o nome de salada do mar porque esse prato leva kani-kama. Para quem não conhece é um bastãozinho feito de carne de peixe, com sabor de caranguejo, muito típico do Japão.  Há quem não goste de kani. Para essas pessoas, eu sugiro trocar o ingrediente por salmão, atum (não o enlatado, ok?), camarão ou lula. 

O que posso garantir é que a combinação é sensacional. E o molho? Combina super bem com molho rosé, mas também pode ser um molho com iogurte e hortelã ou iogurte e mostarda. Hummmm... bom demais! 

Salada do mar  

Refeição completa para uma pessoa = vale um bom prato 



Ingredientes

- Caminha de folhas verdes (de preferência alface e agrião)
- 3 ou 4 bastonetes de kani-kama desfiado - ele ficará como um fio larguinho
- 1 tomate italiano partido em 8 pedaços (corte-os longitudinalmente)
- 30 gramas de queijo branco cortado em cubos
- 5 tomates cereja

Molho: rosé (maionese, catchup, sal e pimenta do reino)


Montagem

Distribua as folhas verdes no fundo de uma travessa ou prato de mesa e sobre elas disponha o kani-kama, os tomates e os pedaços de queijo. 

Deixe o molho numa molheira à parte. Cada pessoa vai colocar o quanto lhe for agradável ao paladar. 

Essa salada contém as fibras e as vitaminas das folhas, o licopeno, que é anticancerígeno, nos tomates, as proteínas do queijo (que pode ser substituído por tofu) e do kani, além dos sais minerais também no tomate, e ferro, muito presente no agrião. É gostosa, leve e diferente. Por que não experimentar? 

Não sabe onde comprar kani-kama? Nos supermercados, quase sempre, são encontrados juntamente com os alimentos congelados.






Leia também no Festival de Saladas: 


terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Salada completona

Festival de Saladas



Hoje tem mais comida saudável por aqui. 

Acho que nunca declarei isso antes, mas embora eu adore cozinhar, entre as comidas que mais curto fazer estão as saladas. É genial pensar em juntar sabores e texturas de um jeito relativamente prático sabendo que o resultado vai fazer bem para o seu corpo e que dará um tônus a mais para o seu dia, sem que fique aquela sensação pesada no estômago. 

Sou daquelas pessoas que gosta de comer. Eu preciso de sustância, gosto de mastigar os alimentos, sentir bem os aromas, o quão crocantes são ou se estão picantes ou insossos. Gosto do que é amargo, doce, salgado, azedo, não importa muito, cada coisa tem sua hora e sua vez. Desde que os ingredientes estejam bem equilibrados há sempre algo bom em comer. 

Além do mais, a alimentação feita com produtos de boa qualidade e predominantemente naturais é muito importante para nos manter felizes, distantes da depressão e das indisposições. Comer bem tem tudo a ver com a nossa qualidade de vida e isso significa sentir alegria e não fadiga. Atletas mal alimentados estão fadados ao fracasso no médio prazo. 

Sem purismos demasiados, eu também gosto de beliscar guloseimas, adoro doces e tenho vários produtos industrializados na minha despensa. Eles facilitam muito a vida. Mas pensar a nossa forma de comer é indispensável nos dias atuais para evitar que fiquemos doentes, principalmente. 

Claro que eu sei que é difícil comprar somente alimentos naturais, orgânicos e, de preferência, que saibamos a procedência. Hoje em dia, quase ninguém mais tem uma horta no quintal como quando eu era criança, tempo que isso era muito comum. Além disso, comprar alimentos sem agrotóxicos é caro. Mas com algum envolvimento de cada pessoa podemos mudar isso pouco a pouco. Notei nos últimos tempos que quando comemos alimentos melhores, precisamos de menor quantidade para que fiquemos saciados. De alguma forma isso é uma compensação diante da questão do preço alto dos melhores ingredientes. Sabem que isso foi uma grande sacada? Eu demorei muito para entender isso. 

Mas o assunto da semana é o festival de saladas que traz consigo alguma novidade que ainda não pode ser desvendada.  Nos próximos dias, conto tudo, tudo, tudo. Promessa!!!

Vamos à saladinha de hoje, ou melhor, a saladona! 

Salada completona 

Refeição completa para uma pessoa = vale um bom prato 


Ingredientes

- Caminha de folhas verdes (pode ser rúcula, agrião, alface, chicória, mostarda)
- 2 colheres (sopa) de ratatouille* (refogado ou assado que leva berinjela, abobrinha, cebola, pimentões)
- 1 colher (sopa) de cenoura ou beterraba ralada
- 1 colher (sopa) de muçarela ralada
- 3 nozes picadas 
- 4 azeitonas azapa

Molho: rosé (maionese, catchup, sal e pimenta do reino)


Montagem

Distribua as folhas verdes fazendo uma cama de vegetais no fundo de um prato de mesa. Por cima, no centro, coloque o ratatouille (que deve estar bem temperado) e ao redor a cenoura ou a beterraba ralada. Por cima, polvilhe muçarela também ralada. Quebre as nozes em pedaços pequenos (cerca de 5 ou 6 pedaços por noz) e distribua por toda extensão do prato. As azeitonas podem ser servidas picadas ou com o caroço, uma vez que estão bem visíveis para quem vai comer. 

O molho deve ser centralizado, bem no meio do prato. Somente na hora de comer é que cada um fará a mistura dos ingredientes como melhor lhe apetecer. 

Essa salada tem fibras, carboidratos, proteínas, sais minerais, vitaminas, ferro e muito sabor. Não deixa nada a desejar para um prato que tenha arroz, feijão, bife e verdura refogada. Então, que tal? Vai encarar? 

Não vale dizer que não gosta de salada. Isso é coisa de criança mimada e que não experimenta. Sempre vai ter algo bom num prato como esse. Experimente!!

Até amanhã. 


* Sobre ratatouille, leia os posts: 






segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Salada de folhas verdes e tomates

Festival de Saladas



Tem novidades chegando!!! 

2016 vem com novas chances de negócios ligados ao sabor e à nutrição saudável das pessoas. Só que ainda não posso contar. Suspense.... Acho que até a próxima sexta-feira, os seguidores do blog já terão tudo em primeiríssima mão. Não vejo a hora de contar a novidade. 

Por enquanto, vou apresentando saladas e, o que posso adiantar é que, elas têm tudo a ver com a novidade. 

Para dar um certo charme, eu subtitulei o conjunto que vou apresentar durante essa semana no blog, esses pratos deliciosos e completos para uma refeição saudável e nutritiva, de "festival". 

Hoje vou apresentar uma salada que considero básica, mas no fundo não é tanto assim. 

A história da criação dessa salada aconteceu alguns anos atrás por ocasião do aniversário da minha irmã. 

Eu já contei por aqui que lá na casa da minha família em Itu eu sou a "fazedora" oficial de saladas. Sempre procurando associar novos sabores aos que já nos são comuns e agradáveis, testei inúmeras combinações e fiz dos meus familiares minhas cobaias para tudo o que inventava. 

Como era o aniversário da Cris perguntei a ela que salada ela queria comer. Minha irmã gosta muito de comer, mas não curte muito cozinhar, apesar de fazer o melhor pimentão recheado do mundo. Entre as coisas que ela ama comer tomate é um dos principais ingredientes. 

Engraçado é notar que eu sempre disse que um dia escreveria um livro cujo título seria "minha vida com as virginianas". Isso porque em toda a minha vida tive muitas amigas próximas que são do signo de virgem. E sabe o que quase todas elas têm em comum? Amam tomates! 

Ah! O Silas é do signo de virgem também e para ele, como para minha irmã, salada tem que ter tomate.  Eu sei que é coincidência, mas não dá pra deixar passar quando a gente olha de perto para quem a gente ama... Então, essa salada de tomates foi criada com muito amor. Vamos a ela. 

Salada de folhas verdes e tomates 


Ingredientes


- Folhas de rúcula e alface picadas grosseiramente
- 1 colher (sopa) de cenoura ralada
- 1colher (sopa) de palmito picado
- 2 tomates secos picados 
- 1 tomate italiano ou débora médio cortado em folhas
- 6 tomates sweet cortados ao meio (12 metades)
- 1 nozes picadas
- 5 azeitonas verdes 
- Folhinhas de manjericão fresco




Molho italiano: azeite, tomate, sal e pimenta


Montagem

Com todos os ingredientes plenamente higienizados e devidamente cortados ou picados, distribua as folhas verdes em um prato fundo de mesa. Por cima, fazendo um circulo central, distribua a cenoura ralada. No meio do círculo, coloque o palmito picado. Disponha os tomates por toda extensão do prato, assim como as nozes e as azeitonas. Por último, jogue as folhinhas de manjericão em toda salada. Regue com o molho italiano. 

Rendimento: 1 salada para 1 pessoa (sinônimo de uma refeição completa, contendo proteína, carboidrato, fibras, vitaminas, sais minerais) 

Muito bem! É fácil, não? São ingredientes bem comuns e a proporção é adequada para que haja harmonia nos sabores. Isso faz diferença, pode acreditar. 

Espero que curtam. Essa é a primeira de várias saladas do festival que durará toda essa semana. Degustem! 

Até amanhã.