segunda-feira, 7 de março de 2016

A hospitalidade de uma festa de casamento

De volta

Um mês depois...  Estou de volta. Peço desculpas aos leitores, mas rolou tanta coisa e, devo confessar, não dei conta. As palavras não vieram e os textos acabaram não sendo publicados.  Mas nada que a gente não possa tirar o atraso. 

Nesse mês de fevereiro e no início de março, foram muitos os eventos e todos bem emocionantes. Entre eles, voltei ao curso de gastronomia, fiz um curso sobre o papel dos aromas na comida, teve o Carnaval, o incrível show dos Rolling Stones, a quinta edição do Lá em casa pra jantar (ou a primeira de 2016) e um evento em especial,  o casamento da minha prima mais nova, a Mariana (com o Fernando), lá em Itu, no último sábado. 

A Mariana é minha priminha, filha do tio Miro e da Maria do Céu, que nasceu quando eu e meus irmãos já éramos quase adultos. Nós somos os primeiros netos, ela é a caçula. 

Nunca brincamos juntas quando crianças, afinal ela é da geração da Bruna. Também não tivemos um contato próximo desses feitos de longos bate-papos em família porque esse lado da minha família, o paterno,  nunca foi muito de se reunir. Os irmãos, Antonio, meu pai, Mercedes, Miro, Neide e Zé Maria, não foram os melhores companheiros da vida. Tem família que é assim e só. No entanto, nas vezes que,  entre primos, pudemos nos juntar (e as últimas vezes foram todas em casamentos: o do Marcelo, o da Cássia, o meu, o da Camila e agora o da Mariana) foi uma grande alegria para todos. Os laços fraternos e familiares existem e são sólidos.

Uma festa de casamento é quase sempre cheia de muita emoção: dos noivos, dos pais, padrinhos, da família e dos amigos que, em resumo, fazem a festa acontecer e ser memorável. Com os anos, todos serão relembrados nas fotos não só por sua participação, mas também por suas roupas caprichadas e na moda, suas maquiagens e penteados, especialmente, feitos para a ocasião. 

Embora a gente saiba que sem a presença das pessoas não há festa, mas para que seja realmente boa, tudo o que parece encantadoramente simples durante uma recepção de casamento foi pensado, planejado e, houve muito investimento para que ocorresse.  

Os noivos planejam tudo para que o dia seja perfeito. Para isso dedicam meses de suas vidas corridas fazendo degustações, separando fotos, escolhendo tecidos, flores, cardápios, músicas etc. Até a liturgia da igreja, eu soube no sábado, é escolhida pelos noivos. Não é só tempo que dedicam, também investem altos recursos financeiros para garantir que tudo que está na moda na indústria do matrimônio esteja plenamente adequado às tendências. Cada festa é uma, mas todas guardam semelhanças entre si e, claro, não há quem não queira apresentar uma surpresa ou algo diferenciado para seus convidados. 

Mesmo sem saber, quando oferecem uma recepção, seja qual for o formato, os noivos e seus pais, estão alinhados aos princípios da hospitalidade: receber, hospedar, alimentar e entreter. 

No casamento de sábado passado não foi diferente. Tudo estava impecável. Cada detalhe planejado com rigor para que parecesse casual. Sem exageros, mas com muito bom gosto.  Dos músicos na igreja aos chinelinhos distribuídos para que as mulheres pudessem dançar sem o desconforto das sandálias ou sapatos apertados, cada item parecia estar onde deveria estar. 

Desde que recebemos os convites e confirmamos presença, já sabíamos que seria assim, mas é sempre muito bom ser bem recebido. 

Recepcionar/ bem receber/ hospedar: logo na chegada, as recepcionistas nos indicaram que deveríamos ocupar as mesas de uma determinada área em que estavam também os nossos parentes. Assim, todos ficamos próximos, um cuidado que nos permitiu curtir mais as pessoas que tanto prezamos. 

Alimentar: da mesma forma, a comida foi cuidadosamente escolhida para garantir que gregos e troianos pudessem se alimentar com prazer. Para quem não come carne, havia risoto, para quem é carnívoro, tinha um delicioso steak a poivre, perfeitamente preparado. Dos finger foods servidos à mesa, às ilhas de antepastos, entradas e saladas, ao menu quente e às sobremesas, assim como a mesa de doces e bem-casados, tudo atendia à diversidade dos paladares. Uma delícia! E olha que o menu era extenso... ah! e tinha risoto para servir mais de 300 pessoas, coisa bem difícil de acertar, o que é sabido pelos que lidam com comida em buffet. 

Ainda teve bebida da melhor qualidade: whisky, vinho, cerveja, refrigerante, água com e sem gás (eu tomei espumante a noite todinha, da hora que cheguei à hora que saí) e, inclusive, batidas de frutas feitas na hora de acordo com o gosto do cliente. Alegria garantida!

Entreter: A festa ainda teve música também para todos os gostos. Quando nada mais podia melhorar, veio uma banda que tocou ao vivo os ritmos que agradaram os jovens e também os mais velhos. Muito animado. Como antes mencionei os chinelinhos, era mesmo para dançar!

Casar está na moda. Voltou à moda. O que quero dizer (ou arriscar a dizer) é que mais gente casa com pompa e circunstância na geração da Mariana do que casava na minha. As festas são ótimas e, quase sempre, muito caras.  Mas, segundo quem casa, vale muito a  pena. É como fazer uma linda viagem. 

Para nós, os convidados, celebrar o enlace, o matrimônio, o casamento, as bodas, a festa, seja qual for o nome que se dê, é poder testemunhar a alegria das pessoas que tão generosamente nos quiseram por perto numa situação tão especial. Na igreja, as memórias florescem e voltam imagens de longa, longa data. Cresce um sentimento de harmonia, de paz que a gente leva pelos dias que seguem. Eu, pelo menos, me sinto assim: alegria, feliz mesmo. 

Lá pelo meio da festa, o Silas comentou comigo que a noiva, ao discursar, agradeceu a presença das pessoas, mas que quem prepara uma festa tão bonita para receber tanta gente é que deve ser agradecido. 

E é assim que se completa o ciclo da hospitalidade: quem é recebido deve retribuir a dádiva. 

Nós, Mariana e Fernando, agradecemos e oferecemos a nossa casa para vocês. Espero que um dia possam e queiram nos visitar para que possamos retribuir tamanha gentileza. Para que de novo a gente tenha a chance de lhes desejar só coisas boas durante toda a vida. Uma vida inteira de felicidade, de verdade! 


Eu, tio Miro e Cris
Como disse, o casório foi no sábado passado,  e nele reencontrei pessoas caríssimas da minha vida, gente que quase não vejo, mas quando estamos juntos me fazem sentir alegria. Então, me encho de amor. Isso é o que chamo de felicidade! 

As Gavis: tia Neide, minha mãe Neuza, Stefânia, Leiticia, Cássia, eu, Cecilia, bem atrás da noiva, Paula, Cris, Camila, Bruna e Giovana. 



Um comentário: