terça-feira, 21 de outubro de 2014

Temporada de Saladas

Este ano de 2014 tem sido muito atípico. Janeiro começou quente e sem chuva ao contrário do que sempre acontece aqui pela região sudeste.  Assim permaneceu o tempo durante todos os demais meses com alguma variação, claro. Mas puxando aqui os dias pela memória, no período da Copa do Mundo estava bem quente também. Nada de casacos pesados e cobertores muito quentes. Tudo mais ou menos para meia estação. 

Entretanto a primavera chega em setembro e com ela aquela vontade de ser verão. As árvores florescem, deixando tudo mais colorido nas cidades. O sol passa a  nascer mais cedo e se vai mais tarde, por isso já é regra que na noite do terceiro sábado para domingo do mês de outubro aumentamos uma hora no relógio. Começa o horário de verão que vai até o terceiro fim de semana de fevereiro do ano seguinte. 

Junto com isso, vem aquela disposição de comer de um jeito mais saudável. Aquela permissividade que a gente tem no inverno de ingerir mais calorias para ficar quentinho dá espaço para uma vontade de alimentos crus e refrescantes. Essa é a hora das saladas, entradinhas leves com terrines, patês e dos grelhados para os que nunca dispensam carnes ou peixes. 

Já faz muito tempo que as saladas se tornaram queridinhas das pessoas, principalmente, porque quase todo mundo quer ficar magrinho e bonito como nos impõem os padrões de beleza que nos são bombardeados todos os dias nas mais diversas mídias e publicidades. Independentemente disso, já vai longe o tempo que as saladas eram sinômimo de comidas sem gosto ou difíceis de comer. 

Eu sou uma comilona declarada, mas adoro salada. Por isso, desenvolvi várias combinações juntando algumas informações importantes que aprendi com o tempo e a reeducação alimentar que fiz com uma profissional maravilhosa lá de Itu, a dra. Roberta Cassani, há cerca de 10 anos. 

Um prato saudável não significa que terá elementos sem sabor, muito ao contrário. 

A partir de hoje e em algumas edições do blog vou me dedicar às saladas. Minha proposta é que, conforme forem sendo apresentadas as receitas e as combinações, alguns conceitos sobre como funcionam determinados alimentos no nosso organismo serão também mencionados. Espero que gostem.  

Para desmistificar o mundo maravilhoso da comida saudável com sabor, começaremos com vegetais que normalmente são muito facilmente encontrados nos supermercados, sacolões e em quitandas. Assim não tem desculpa para não tentar. O resultado pode ser supreendentemente bom.   

Para os que são veementemente contrários às folhas verdes, aos legumes crus e às oleaginosas sugiro tentar, quem sabe dá certo? 

Salada para iniciar

Importante: A porção de salada sugerida serve como uma refeição completa prescindindo de outros acompanhamentos. As medidas são caseiras para facilitar. 

Ingredientes
- 1 pires de rúcula
- 1 pires de alface crespa
- 1 colher (chá) cenoura ralada 
- 1/2 tomate fatiado em meias rodelas ou gomos
- 1 castanha do pará picada em lascas
- 1/2 pires de manga fatiada em julienne
- 1 colher de ricota temperada ou chancliche 
- 1 colher de azeite extravirgem
- 1 colher de aceto balsâmico ou suco de meio limão
- sal e pimenta do reino

Montagem
Faça uma caminha com as folhas verdes, por cima distribua a cenoura ralada. Monte os tomates e os pedaços de manga nas laterais. Polvilhe a castanha do pará e a ricota temperada. Tempere com azeite, aceto, sal e pimenta do reino. 


Nessa salada estão presentes fibras (folhas verdes), vitaminas (manga, tomate, cenoura), proteína (ricota) e selênio (castanha). O azeite extravirgem ajuda a reduzir o colesterol ruim (LDL) do organismo. Os elementos combinados dão saciedade suficiente para que a próxima refeição seja feita em 2 horas e meia ou 3 horas, ou seja, junto com a salada iniciante, iniciam-se também as refeições frugais a cada 3 horas. Isso é saúde!

Outras dicas e sugestões

Monte a salada em porções individuais. Se possível, use uma louça bonita, de preferência a mais elegante que tiver. Caso não tenha, use o que tem, mas monte a mesa completa, mesmo que seja só pra você. Faça da mesma forma com os talheres, copos e guardanapos. Por quê? Porque o momento de fazer uma refeição deve ser agradável. A gente não come só com a boca e para encher o estômago. Comer é um ritual que pode ser maravilhosamente bem aproveitado. Afinal, quem é mais importante que você para merecer uma mesa arrumadinha e uma refeição bem preparada? Costumamos dar mais valor às visitas do que a nós mesmos. Manter itens especiais para dias especiais é bem legal, mas já pensou que hoje pode ser um dia muito especial porque você está com você? 

Pense também na possíbilidade de comprar um ou dois pratos diferentes, talvez coloridos com alguma estampa mais arrojada, um xadrez, um folhagem, se lá! O que você gostar. Eu tenho todo um jogo de pratos rasos, fundos e de sobremesa comprados separadamente, um trio de cada vez. Até juntá-los, fiz assim: a cada mês eu comprava um de cada da mesma estampa, no mês seguinte mudava para outra padronagem. De modo que não pesou no orçamento conforme fui comprando. Quando recebo vários amigos e não tenho louça igual para todos, lanço mão dessa estratégia: sirvo em pratos totalmente desparceirados. Eles são bonitos individualmente e cada convidado fica com um diferente. É até lúdico. 



Eu penso que mudar a louça ou usar um jogo americano diferente à mesa, muda também o astral da refeição. Dá mais sabor, alegra a mesa e a vida. Tudo de bom!



sábado, 18 de outubro de 2014

Um desjejum à francesa: croque monsier

Depois de uma sexta-feira de muito calor e despedidas de pessoas muito queridas como Ian, Pablo e Julia, cada um seguindo seu caminho, seja voltando de férias para casa ou indo para mais uma etapa delas, fui para a faculdade e assunto é que não faltava entre os colegas.

Entre os hot topics, estava o episódio que vivemos juntos, Talita, Fernandes, Sandro e eu, na quinta-feira ao sair da aula de Técnicas de Cozinha. Estávamos no carro, eles de carona comigo, e em plena Marginal Pinheiros o meu veículo foi perdendo potência e parou de funcionar: pane seca!  Foi uma loucura. Acho que poucas vezes na vida estive diante de uma situação tão estressante. 

Ficamos mais de meia hora em pé em cima da muretinha ao lado do muro da raia da USP, aguardando o Silas chegar com um galão de gasolina. Isso porque nessas horas ficar dentro do carro é ainda muito mais perigoso porque pode vir um veículo em alta velocidade e atropelar o carro parado. 

Enquanto estivemos ali, a polícia parou. Desceram dois policiais com armas bem assustadoras em punho e vieram na nossa direção. Não para ajudar, mas para tirar satisfação. Especialmente porque não parece ser responsabilidade da polícia a segurança pública nessa cidade e nesse estado. Lamentável! A atitude dos policiais foi preconceituosa, uma vez que nosso colega Fernandes é negro. É melhor eu nem me deter nesse episódio para não sentir ainda mais raiva diante da "proteção" que temos com nossos policiais numa situação crítica como essa. Mas tudo pode piorar. Quando eu disse ao policial que estava com medo de ficar ali e que precisava de ajuda, ele me disse: 
- A senhora tem seguro do veículo? Ligue para o seu seguro para vir guinchar o seu carro. 
Ao que eu respondi: 
- Sim, posso ligar, mas os senhores me dão proteção até que o seguro chegue. 
Ele respondeu: 
- Nós estamos com um preso na viatura e não temos como ajudar. Isso é ainda mais perigoso do que ficar aqui esperando o resgate. É melhor saír do carro e chamar o seguro.
E foram embora!

Logo que o carro parou e identificamos que por falha do marcador o nosso problema era falta de combustível, o Sandro heroicamente saiu cominhando pela Marginal para buscar gasolina. Isso fez dele, diga-se de passagem com muita justiça, um dos protagonistas da história que vivemos juntos. 

Contar para os colegas de forma engraçada no dia seguinte, faz com que a gente entenda que ultrapassou a barreira do coleguismo com algumas pessoas e que agora nos transformamos em amigos. Como disse o Sandro, essa é uma história que vamos levar para sempre da nossa trajetória juntos na faculdade. Agradeço muito aos três: Tali, Fernandes e Sandro, vocês foram demais, obrigada!

Outro assunto era a prova da Higiene, cuja melhor nota da sala foi do Fernandes, que recebeu aplausos de todos os colegas de sala. Parabéns, querido! 

Aula reservada para revisão de prova significa chegar cedo em casa e isso me deu a ideia de preparar um croque monseir para lancharmos, Silas e eu.  Eu fiz adaptações na receita, usando ingredientes que tinha em casa, mas o resultado deu certo. 

Croque Monsier é um nome francês dado ao sanduíche de queijo e presunto quentes cujo pão "estala nos dentes" (faz croc! quando é mordido). A tradução de monsier é senhor. Assim... é o senhor sanduíche de presunto e queijo crocante.  Também existe o croque madame, mas esse fica para outra ocasião, mas só pra não haver confusão, o madame leva ovo frito com a gema mole. Outra delícia dos franceses, ah! como sabem fazer comida... 

Vou dividir a receita. 

Croque Monsier

Ingredientes

1 ovo inteiro
2 colheres de creme de ricota
noz moscada
sal e pimenta do reino
6 fatias de pão de forma integral ou de grãos
3 fatias de presunto 
3 fatias de muçarela 
50 gramas de queijo gruyere ralado
2 colheres de ricota defumada picante ralada 

Modo de fazer

Bata o ovo inteiro com o creme de ricota. Tempere com sal, pimenta do reino e noz moscada.  
Numa assadeira de bolo inglês untada com manteiga, coloque três fatias de pão e regue-as com a mistura recém-preparada do ovo e do creme de ricota. Coloque as fatias de presunto e muçarela uma sobre cada fatia de pão. Por cima ponha o queijo gruyere (eu pus também tomates cereja - só uma adaptaçãozinha básica). Cubra com as demais fatias de pão e regue o restante do creme, de modo a umidecê-las também. Cubra com a ricota ralada e leve ao forno pré-aquecido até que os queijos se derretam completamente e o pão fique crocante. 

Uma observação importante a ser feita é que a ricota e o tomate não existem na receita original. E eu usei queijo gouda e um pouco de gorgonzola, no lugar do gruyere, mas deu certo. Ficou bom. 

Hoje pela manhã, o que sobrou virou meu breakfast, bem no estilo francês. Gostoso demais! 



Desejo um ótimo fim de semana a todos e aproveito para dizer que tenham muito cuidado com o abastecimento de combustível em seus veículos. Pode ser muito arriscado parar na via pública por falta de gasolina. E além de tudo, isso é passível de multa prevista na legislação de trânsito. 

Em tempo: reduza racionalmente  o quanto puder o consumo de água, ela está acabando.